23 / 9/ 2022 Em: Sanlúcar de Guadiana

24 / 9/ 2022 Em: Alcoutim

O Congresso Internacional nos municípios de Sanlúcar-Alcoutim é la atividade final do “Projeto de I+D+I Património Cultural e Memórias Fronteiriças no Sul Ibérico” (2020/22) desenvolvido por equipas de antropologia e arquitectura das universidades Pablo de Olavide, Sevilha, Évora e Algarve e outras instituições e o seu principal objectivo é divulgar e promover a investigação e intervenções no património transfronteiriço.

A localização e organização do congresso, em estreita colaboração com as administrações locais, visa promover a agência dos territórios fronteiriços para um trabalho de cooperação e o envolvimento das diferentes experiências de investigação e intervenção em heranças transfronteiriças.

Informações Gerais

MODALIDADE:Sala de aula Nº DE LUGARES:80
INSCRIÇÃO: De 8 de Março a 5 de Setembro
SUBMISSÃO DE ABSTRACTOS:De 8 de Março a 31 de Maio (Máximo 500 palavras Time New Roman, 11)
ACEITAÇÃO DE ABSTRACTOS E PROGRAMA DEFINITIVO:17 de Junho Publicação: as obras poderão ser publicadas como capítulos de um livro coletivo monográfico sobre cultura e patrimônio de fronteira em editora de impacto posicionada nos quartis Q1 ou Q2 do Scholarly Publishers Indicators in Humanities and Social Sciences (SPI).

Para mais informações pode contactar-nos através dos nossos emails:

DESTINATÁRIOS:

Investigadores de todas as disciplinas que abordaram o tema da conferência. Estudantes de graduação e pós-graduação com interesse na matéria. Pessoas com experiência em iniciativas públicas e privadas relacionadas com a cultura e o património fronteiriço.

TAXAS DE REGISTO:

TAXA REDUZIDA(até el 31 de Julho)

TAXA GERAL: 50 €
TAXA DE ESTUDANTES E DESEMPREGADOS : 25 €
(Comprovante de inscrição num curso universitário e de desemprego)

TAXA COMPLETA (de 31 de julho a 5 de setembro)

TAXA GERAL: 80 €
TAXA DE ESTUDANTES E DESEMPREGADOS: 45 €
(Comprovante de inscrição num curso universitário e de desemprego)

PAGAMENTO POR TRANSFERÊNCIA :

Para o pagamento do congresso efectuar uma transferência bancária indicando o seguinte código:
2022CC04 mais nome e apelido.

Numero de conta:
IBAN: ES16 0049 1861 1120 1036 5943
SWIFT: BSCHESMM

ACOMODAÇÃO:

Os participantes deverão contactar diretamente os estabelecimentos hoteleiros, Terão um desconto de 10% por estarem inscritos no congresso, desde que façam a reserva com um mês e meio de antecedência nos seguintes estabelecimentos:

Hotel d’Alcoutim

Av. de Espanha 43, Alcoutim

https://www.hoteldalcoutim.com/

info@hoteldalcoutim.com

+ 351 911 503 400

Los Molinos, Turismo Rural.

Calle Nueva S/N, Sanlúcar de Guadiana.

https://losmolinosturismorural.com/

+34608558803

EIXO TEMÁTICO 1
>>>Paisagens e Arquiteturas Transfronteiriças

Historicamente, o estabelecimento da fronteira entre Portugal e Espanha deu origem a um processo de demarcação de duas identidades distintas numa paisagem que até então se caracterizava por traços de continuidade a nível biofísico e cultural.

Neste contexto, a fronteira constituiu um projeto fundamental para os monarcas de ambos os reinos, na perspectiva do povoamento, da fortificação e da fundação dos centros urbanos, com um desenho global no(s) modelo(s) de organização e gestão da paisagem que é simultaneamente idiossincrático e um reflexo da realidade do outro lado.

Esta linha temática visa incentivar a reflexão sobre o património cultural da fronteira a diferentes escalas, desde as paisagens agroalimentares e o património construído (estruturas defensivas, edifícios religiosos etc.) a povoações de génese medieval e arquitetura doméstica e de produção (moinhos de vento e água, lagares etc.).

Neste sentido, os resumos serão aceites em três linhas temáticas principais:

1. Paisagens de interesse cultural, entre as quais as paisagens agro-alimentares (montados, olivais, vinhas, searas, pomares, pastagens) associadas à dieta mediterrânica (património cultural imaterial da Humanidade) são uma das expressões mais identitárias da paisagem cultural do Sul Ibérico.

2. Os assentamentos rurais, a arquitetura tradicional e o património monumental e militar que desempenharam historicamente um papel relevante no processo de humanização da zona transfronteiriça.

3. Património mineiro, no qual a atividade mineira e o património construído associado (aldeias mineiras, património industrial, caminhos-de-ferro, portos/albufeiras, etc.) também adquirem especial importância e significado.

Coordenação deste eixo:

Miguel Reimão Costa y Desidério Baptista (Universidade do Algarve). Rute Sousa Matos (Universidade de Évora). María Prieto Peinado y Juan Agudo Torrico (Universidade de Sevilha). Mª del Carmen Rodríguez Oliva (Instituto Andaluz do Património Histórico).
Miguel Reimão Costa

é Professor na Universidade do Algarve. Arquiteto e doutor pela Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto. Membro da Direção do Campo Arqueológico de Mértola. Investigador do Centro de Estudos em Arqueologia, Artes e Ciências do Património. Membro perito da Comissão Científica Internacional para a Arquitetura Vernácula (Icomos-Ciav). Projetos de investigação no âmbito da arquitetura vernacular em Portugal e no Mediterrâneo.

Desidério Batista

é Arquitecto Paisagista e é doutorado em Artes e Técnicas Paisagísticas pela Universidade de Évora. É Professor na Universidade do Algarve e Investigador no CHAIA/UÉ. Coordena e/ou colabora em Projectos de Investigação em Portugal, Espanha, Marrocos, Tunes e Brasil. https://www.cienciavitae.pt/portal/6D1B-AB82-1CFD

Rute Sousa Matos

é Arquiteta Paisagista e doutora em Artes e Técnicas da Paisagem. É Prof. Auxiliar na Universidade de Évora. A sua área de investigação centra-se nos temas da multifuncionalidade da paisagem, nas questões ecológicas e de sustentabilidade e na agricultura urbana como uma abordagem ao desenho do projeto.

Maria Prieto Peinado

PhD. Departamento de Projectos Arquitectónicos. Universidade de Sevilha. Investigador no Instituto Universitário de Arquitectura e Ciências da Construção (IUACC) e no grupo HUM-853. Mestrado em Arquitectura e Património Histórico pelo Instituto Andaluz do Património Histórico (IAPH). https://investigacion.us.es/sisius/ sis_showpub.php?idpers=4607

Juan Agudo Torrico

é professor no Departamento de Antropologia da Universidade de Sevilha e membro do grupo de investigação Out_arquías (HUM-853), membro do comité de monitorização do Plano Nacional de Arquitectura Tradicional. Ministério da Educação, Cultura e Desporto. As suas linhas de investigação são Antropologia Simbólica, Património Cultural e arquitectura tradicional.

Mª del Carmen Rodríguez Oliva

é doutorada em História da Arte pela Universidade de Sevilha. Trabalha desde 1995 no Instituto Andaluz do Património Histórico (IAPH) do Ministério Andaluz da Cultura do Governo Regional da Andaluzia, e é auditor interno de projectos patrimoniais da instituição desde 2017. Investigador da Universidade de Sevilha e do grupo HUM-301.

EIXO TEMÁTICO 2
>>>Património da cultura de fronteira: contrabando, movimentos populacionais, comércio transfronteiriço, afinidade e amizade.

As populações das regiões interiores do país foram condicionadas pela sua situação fronteiriça de vários modos. Durante séculos, têm habitado as margens, afastadas dos centros de poder e, ao mesmo tempo, têm assistido à intervenção estatal na construção de uma fronteira inquestionável. Por outro lado, foram capazes de estabelecer pontes e canais de comunicação, tecendo redes de relações interfronteiriças. Estamos atualmente a assistir a processos de valorização de experiências e memórias de fronteira.

Serão aceites contributos que abordem estes aspetos nos processos de patrimonialização, prestando especial atenção ao contrabando de produtos e às relações laborais, de amizade ou de parentesco.

Coordenação deste eixo:

Angeles Castaño Madroñal y Assumpta Sabuco Cantó (Universidade de Sevilha). Elodia Hernández León (Universidade de Pablo de Olavide).
Ángeles Castaño Madroñal

é PhD no departamento da Universidade de Sevilha e director do grupo de investigação Out_arquías (HUM-853) e coordenador do Laboratório Internacional de Epistemologias do Sul e Estudos Sócio-Espaciais (LAB_ES/IUACC/US). Membro do Grupo de Trabalho de Epistemologias do Sul da Universidade Sul-Sul CLACSO/CES (U.Coimbra). Membro da Cátedra UNESCO sobre Diversidade, Género e Fronteiras (UFGD/Brasil).

Assumpta Sabuco Cantó

é Professor Titular no Departamento de Antropologia da Universidade de Sevilha e membro do grupo de investigação Out_arquías (HUM-853), cujas linhas de investigação são género e interseccionalidade, sexualidades e processos artísticos.

Elodia Hernández León

é a principal investigadora do projecto FEDER UPO-1263940 Património cultural e Memórias de fronteira no Sul Ibérico. Professor Titular no Departamento de Antropologia Social da Universidade Pablo de Olavide em Sevilha. Membro do grupo de investigação Out_arquías (HUM-853). As suas principais linhas de investigação são fronteiras e identidades culturais, territorialidades e património cultural.

EIXO TEMÁTICO 3
>>>Turismo fronteiriço e revitalização do património nas zonas despovoadas.

O encontro entre património e desenvolvimento turístico parece formar uma relação indissolúvel. As questões patrimoniais são de interesse turístico e os elementos patrimoniais foram, na maioria dos casos, identificados e definidos em relação ao turismo. Neste sentido, as fronteiras entre países sempre foram um destino para a atividade turística. Além disso, a dinâmica de desativação da fronteira, consubstanciada na articulação de Organismos Supranacionais como a Euroregião Alentejo-Algarve-Andaluzia e a criação de associações transfronteiriças nestes territórios, evidenciaram o interesse nas inter-relações fronteiriças como forma de abordar as dificuldades socioeconómicas das populações rurais no processo de despovoamento. O turismo fronteiriço ou transfronteiriço é alimentado pela reativação simbólica da fronteira e pelo processo de definição do património imaterial dentro da Unesco a partir dos anos 80, o que permitiu a inclusão de diferentes realidades, tais como paisagem, festas e tradições, técnicas de produção, arquitetura, gastronomia ou práticas artesanais como parte do reconhecimento do património mundial. Estes elementos constituem representações sociais que funcionam ao mesmo tempo que refletem a identidade, bem como razões de atração turística e oportunidades para o desenvolvimento e fixação da população rural. O espaço é patrimonializado como uma estratégia de rentabilidade social e económica em relação ao desenvolvimento turístico e perguntamo-nos: estas formas de reativação patrimonial representam também sinais de fenómenos de integração local e de superação do “outro” estrangeiro? Deste modo, aceitam-se resumos de comunicações que abordem a reflexão sobre os processos de reativação do património em relação ao crescimento turístico e ao seu potencial para travar o processo de despovoamento das zonas fronteiriças.

Coordenação deste eixo:

Belén Maldonado López (Universidade de Sevilha).
José Manuel Jurado Almonte (Universidade de Huelva).

Belén Maldonado López

é doutorada em Ciências Sociais e Jurídicas pela Universidade de Cádiz, mestre em Ensino Secundário pela Universidade Camilo José Cela, licenciada em Publicidade e Relações Públicas e licenciada em Antropologia Social e Cultural pela Universidade de Sevilha. Desde 2020 trabalha como investigadora e professora na Universidade de Sevilha e na Universidade Pablo de Olavide, e é membro do grupo de investigação HUM853 Out_arquías.

José Manuel Jurado Almonte

Departamento de História, Geografia e Antropologia, Faculdade de Humanidades, Universidade de Huelva (UHU). Telefone: +34-959-219180; telemóvel e wapsat: +34-649865104; jurado@uhu.es; Licenciatura em Geografia e História, especialização em Geografia (1987). Doutoramento em Geografia (1996). Professor Catedrático da Universidade (1998). Departamento de História, Geografia e Antropologia. Universidade de Huelva. Os seus interesses de investigação incluem: estudos territoriais, agricultura, turismo, desenvolvimento local, planeamento estratégico e urbanismo e infra-estruturas. Ele tem dois períodos de investigação de seis anos. Participou em 12 projectos competitivos de investigação em I+D+i e 29 contratos de investigação. Quantitativamente, a sua produção científica inclui a publicação de 25 livros, 90 capítulos, 20 artigos em revistas e 30 comunicações em congressos.

EIXO TEMÁTICO 4
>>> Iniciativas e projectos de cooperação fronteiriça: dinamização cultural e despovoamento.

Num mundo globalizado, as fronteiras não inviabilizam os fluxos socioeconómicos, sendo os processos patrimoniais conduzidos por novos agentes, incluindo organismos supranacionais e ao mesmo tempo entidades locais que valorizam o seu património próximo.

Neste quadro, as localidades vizinhas assumem uma singularidade especial, reivindicando o seu papel como protagonistas de uma coexistência secular transfronteiriça e como depositários de uma memória e de um património partilhados, expressos nas manifestações patrimoniais da cultura de fronteira.

Apoiadas, ou não, por instituições e programas supranacionais e regionais, as localidades fronteiriças têm experiência no desenvolvimento de iniciativas que aumentam o valor da cultura fronteiriça, a fim de contribuir para a fixação da população. Assim, convidamos à apresentação de resumos que incidam em iniciativas e boas práticas de intervenção, bem como nas realizações e obstáculos encontrados no domínio da valorização do património nas zonas fronteiriças.

Coordenação deste eixo:

Júlio Cardoso (Câmara Municipal de Alcoutim).

Júlio Tomás Cardoso

é Técnico Superior de Turismo na Câmara Municipal de Alcoutim desde 1998. No seu trabalho tem vários projectos de desenvolvimento transfronteiriço a nível local, tais como a criação e programação do Festival de Contrabando entre Alcoutim e Sanlúcar de Guadiana, a criação e programação do Festival de Passeios a Pé Alcoutim-Sanlúcar de Guadiana, a criação e programação do Festival de Passeios a Pé Alcoutim-Sanlúcar de Guadiana, o projecto de Criação de uma Marca Turística Fronteiriça entre Alcoutim e Sanlúcar de Guadiana, o Festival Tráfico de Artes en el Guadiana, e a coordenação das Jornadas del Contrabando e Memorias de Frontera (associadas ao Festival do Contrabando).

PROGRAMA

Viernes / 23 de setembro / Sancar de Guadiana

Salón Cultural Manuel Perez . 37°28’17.8″N 7°27’52.5″W. Carretera de Huelva, 3, Sanlúcar de Guadiana. +34 959 38 80 7
Notas sobre os estudos da fronteira sul hispano-portuguesa e a cultura oral

Mª Victoria Navas Sanchez Élez

  • Arquitetura na fronteira: sinais de identidade e diversidade. Juan Agudo e Miguel Remião
  • Culturas de construção vernacular do Sudoeste Peninsular: temas de pesquisa sobre influências e intercâmbios. Ana Costa Rosado
  • Paisagens agroalimentares do Sul Ibérico: Unidade e diversidade. Desidério Batista
  • Conexões na paisagem de Mértola. Leonor França Almeida
  • Proposta ecossistêmica para um Corredor Verde Pyritic transfronteiriço. María Prieto Peinado
  • Edifícios defensivos históricos e o desenho de uma linha em territórios em mudança.María del Carmen Rodríguez Oliva
  • Fronteiras no sul do Brasil e o debate do ciclo de cinema Urbanicidades. Barbara Gonçalves Guazzelli e Manoel Rodrigues Alves

  • A paisagem transfronteiriça do rio Ardila.Rute Sousa Santos

  • Ecologia do conhecimento e das experiências em torno do contrabando do raya. Ángeles Castaño y Elodia Hernández
  • Rotas do Contrabando, processos de comodificação e ressignificação da cultura na raia luso-espanhola. Fatima Calça Amante

  • Reflejos convexos, memorias de frontera y dinamización del patrimonio en el Bajo Guadiana. Belén Maldonado

  • Mulheres e contrabando na Raya de Huelva. Rafael Cáceres Feria
  • O Centro de Interpretação Etnológica “Matilde Gallardo” ou como recordar os esquecidos nas paisagens mineiras transfronteiriças. Eva Gamero Ruiz

Sábado / 24 de setembro / Alcoutim

Espaço Multiusos Guadiana. 37°28’11.2″N 7°28’29.6″W. Rua Augusto Xavier Caimoto, Alcoutim. +351 281 540 500

  • metáforas e sexualização na fronteira luso-espanhola: uma abordagem de seu estudo a partir de uma perspectiva de gênero. Assumpta Sabuco:
  • Por uma ontologia dos museus de fachada: panorâmica atual da musealização do patrimônio inmaterial na Raya, retos e posibilidades. Irene Sánchez Izquierdo

  • Construções mnemónicas nos discursos populares e nos museus locais no ámbito de comunidades fronteiriças – o caso de estudo da fronteira de Monte Fidalgo e Cedilho. Pedro Fonseca

  • A gestão de um patrimônio transfronteiriço: os festivais do fogo dos Pirineus. Xavier Roigé

  • Uso do português falado no banco Huelva do Guadiana. Diacronia e sincronia. Ignacio López

  • Turismo e desenvolvimento na fronteira de Huelva. Jose Manuel Jurado Almonte
  • A rota e a festa do território hospitalar: la cooperação transfronteiriça como ferramenta para a socialização do patrimônio fronteiriço.Nieves Medina Rosales, Eduardo Romero Bomba, Miguel António Paixão Serra, Marisa Veiga Bacalhau

  • A gestão da cultura em ambos os lados da fronteira. Conferência para análise e discussão sobre gestão cultural no Algarve, Alentejo e Andaluzia Euroregião. Saúl Lázaro Ortiz

  • Proyecto NORTEAR (I e II). João Ribeiro da Silva

  • Experiências e programas de cooperação na fronteira. Julio Tomas Cardoso
  • A cooperação transfronteiriça e transnacional como elemento estruturador da ação da Direção Regional de Cultura do Norte (Portugal). Miguel Areosa Rodrigues e Celina Pinto

  • Sistema de Inovação para o Patrimônio da Andaluzia Rural. O patrimônio cultural das áreas de fronteira do Sudoeste Ibérico enfrentando os desafios do despovoamento. Blanca del Espino Hidalgo, Aniceto Delgado Méndez

História e herança cultural na fronteira

Dra. Ana Paula Amendoeira. Diretora Geral da Cultura do Alentejo.

Mostrar “Coplas & Fado” com: Sergio Rodriguez e Mónica Severino, sobre vozes e David Duarte e Rodrigo Maurício, sobre acordeões. Praça da República,

ExposiçãoGuarda Fiscal no Baixo Guadiana

Inscrição

    Dados pessoais



    Sexo:

    Empresa/ Local de Trabalho/ Estudos





    Dados de contato



    Proposta de Comunicações

    Resumos de comunicações / Máximo 500 palavras (Time New Roman, 11) / Tamanho máximo do ficheiro: 4Mb / Formatos permitidos: pdf, odt, doc, docx

    Enviar proposta

    COMISSÃO

    COMISSÃO CIENTÍFICA:

    Elodia Hernández (Universidad Pablo de Olavide)
    Xavier Roigé Ventura (Universitat de Barcelona)
    Ismael Vaccaro (McGill University)
    Iñaki Arrieta Urtizberea (Euskal Herriko Unibertsitatea)
    Camila de Mármol (Universitat de Barcelona)
    Losandro Antonio Tedeschi (Universidade Federal de Grande Dourados do Brasil)
    Xerardo Pereiro (Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro)
    Juan José Primo Jurado (Instituto Andaluz de Patrimonio Histórico)
    Cláudio Torres (Campo Arqueológico de Mértola)
    Jose María Civantos (Universidad de Granada)
    José Manuel Jurado Almonte (Universidad de Huelva)
    Miguel Reimão Costa (Universidade do Algarve)
    Desidério Baptista (Universidade do Algarve)
    Rute Sousa Matos (Universidade de Évora)
    María Prieto Peinado (Universidad de Sevilla)
    Juan Agudo Torrico (Universidad de Sevilla)
    Carmen Rodríguez Oliva (Instituto Andaluz de Patrimonio Histórico)
    Ángeles Castaño (Universidad de Sevilla)
    Assumpta Sabuco (Universidad de Sevilla)
    Belén Maldonado López (Universidad de Sevilla)
    Júlio Tomás Cardoso (Cámara Municipal de Alcoutim)

    COMISSÃO ORGANIZADORA:

    Elodia Hernández (Universidad Pablo de Olavide)
    Carmen Rodríguez Oliva (Instituto Andaluz de Patrimonio Histórico)
    José Maria Pérez Diaz (Alcalde de Sanlúcar de Guadiana)
    Rosa Palma (Concejala de Cultura, Cultura, Câmara Municipal de Alcoutim)
    Manuela Teixeira (Responsável pelos Serviços de Cultura e Turismo, Câmara Municipal de Alcoutim)
    Júlio Tomás Cardoso (Câmara Municipal de Alcoutim)